Best Practices

O Professor no Contexto da Inclusão Escolar

Vejo num professor bem-sucedido uma pessoa heroica, organizada, corajosa, perseverante, engraçada, forte, estudiosa e sensível. Ele pode ser de uma só vez: um pai, um contador, um mergulhador, um corredor de maratona, um palhaço, um halterofilista, um dramaturgo. Se existisse uma sala de aula homogênea, com alunos de potencial cognitivo, QI, backgrounds, gostos e família semelhantes, mesmo assim, o professor teria que ter todas estas qualidades.

As salas de aula são compostas de alunos dos mais diferentes backgrounds, de etnias diversas, de capacidades variadas, de inteligências múltiplas e de graus variados. Esse professor, então, tem que ser dotado do mais alto nível de adaptabilidade, de uma personalidade extraordinária e de um senso de comprometimento inviolável!

Photo: Pixabay

Perfil psicológico e profissional

Em seu livro Educação Especial – Programa de Estimulação Precoce; Uma Introdução às Ideias de Feuerstein, Vitor da Fonseca (professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa, docente no Departamento de Educação Especial e Reabilitação, e mestre em Dificuldades de Aprendizagem pela Universidade de Northwestern, Evanston, Chicago, Estados Unidos da América), aborda com sabedoria o tipo do perfil adequado de um profissional da área da educação inclusiva. Fonseca, baseado nos estudos de Rappaport e McNary (1979), destaca as seguintes características da personalidade do professor do ensino especial:

– Auto-respeito

– Espontaneidade

– Sensibilidade

– Tolerância frustracional elevada

– Inteligência

– Estabilidade emocional

– Energia

– Responsabilidade

– Atitude positiva perante crianças deficientes

– Abertura

Fonseca ainda acrescenta algumas competências profissionais ao perfil sugerido pelos dois autores, já que considera esta lista mais como um modelo psicológico. Para ele o professor do ensino especial deveria demonstrar capacidades para:

– Avaliar as necessidades educacionais específicas das crianças;

– Planificar curricularmente as sequências de aprendizagem;

– Utilizar métodos pedagógicos reeducativos, reabilitativos ou compensatórios, bem como técnicas e materiais didáticos apropriados ao estilo de aprendizagem das crianças;

– Usar a informação contida nas avaliações de outros profissionais (médicos, psicólogos, terapeutas, assistentes sociais, consultores, especialistas, etc.);

– Desenvolver prescrições educacionais em termos de comportamento que satisfaçam as necessidades intra-individuais identificadas;

– Criar recursos pedagógicos, geri-los e administrá-los adequadamente;

– Realizar avaliações contínuas (pré-programas);

– Efetuar relatórios evolutivos e cumulativos;

– Recomendar mudanças apropriadas no fim, ou durante o programa, através de reavaliações periódicas;

– Abordar e integrar os pais e outros colegas no processo do progresso educacional das crianças

Diante destas duas perspectivas que se complementam, temos algumas reflexões a fazer:

  1. Estão nossos professores preparados (ou sendo preparados) para a educação inclusiva?
  2. Estão nossas escolas adaptadas, ou sendo adaptadas para fazer um trabalho com base no conhecimento científico que esta realidade demanda?
  3. Está nossa liderança submergida até o pescoço nas águas da Educação Inclusiva?
  4. Se Cristo fosse o Diretor do Departamento de Educação Adventista, ou o Diretor de uma de nossas escolas, ou um professor de uma classe, como Ele responderia a estas perguntas?

Nota: Fonseca, Vitor da. Educação Especial – Programa de Estimulação Precoce; Uma Introdução às Ideias de Feuerstein (páginas 230 e 231)


Nota: Artigo escrito e postado em Português

Charlotte Lessa

Charlotte Lessa

Charlotte Fermum Lessa, natural de Bremen, Alemanha, é psicopedagoga clínica, com
especialização no Programa de Enriquecimento Instrumental de Reuven Feuerstein,
nos níveis Básico, 1 e 2. Atualmente ela reside no Brasil.
Charlotte Lessa

Latest posts by Charlotte Lessa (see all)


Leave a Comment

We welcome and encourage constructive, respectful and relevant comments. We reserve the right to approve comments and will not be able to respond to inquiries about deleted comments. By commenting, you agree to our comment guidelines.

Your email address will not be published. Required fields are marked *