Déficit de Atenção e Hiperatividade na Sala de Aula

Best Practices

Como vou saber se meu aluno tem Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)? Esta pergunta parece tola, afinal pelo senso comum sabemos que a pessoa com esse transtorno é elétrica, faladeira, mal-educada, impaciente, desatenta, às vezes agressiva e desafiadora.

Mas, será que toda pessoa que tem estas características pode ser considerada como tendo Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade? A resposta é não! É bom lembrar que o meio em que a criança vive pode causar comportamentos semelhantes. Além disso, existem muitos outros fatores provocativos desses tipos de comportamento. Portanto, rotular não é uma boa opção.

Photo: Pixabay

Se você tem um aluno com algumas ou muitas destas características o melhor a fazer é encaminhá-lo a um neuropediatra ou psiquiatra infantil. Só um clínico especializado poderá confirmar a presença, ou não, deste transtorno. Comorbidades podem piorar o quadro, e esses profissionais são os mais indicados para diagnosticar e tratar o conjunto de sintomas. O psicólogo é um auxiliar também importante nesse processo.

Há três tipos principais de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, de acordo com a classificação do DSM-IV (Diagnostic and Statistical Manual, 4th edition):

1.     Tipo Desatento – Forma mais comum na população em geral

As características mais comuns do Transtorno tipo Desatento são a desatenção, resistência à distração, dificuldade em sustentar o esforço em atividades mais exigentes e percepção da passagem do tempo.

2.     Tipo Hiperativo-Impulsivo – Forma mais rara

A agitação, hiperatividade, impulsividade são mais marcantes no Transtorno tipo Hiperativo-Impulsivo. A hiperatividade pode ser um problema, uma vez que perturba o ambiente ao redor. A busca constante por estimulação, impulsividade e dificuldade em pensar antes de agir pode trazer consequências, tanto para crianças quanto para adultos.

3.     TDAH Tipo Combinado /Misto – Forma mais comum nos consultórios e ambulatórios

Apresenta simultaneamente as características dos tipos desatento e hiperativo-impulsivo. É o que causa maior prejuízo ao próprio portador e aos que o cercam.

Na sala de aula

Seguem algumas dicas práticas de como o professor pode levar o aluno “agitado” a perceber seu comportamento inadequado e ajudá-lo a desenvolver o autocontrole:

·      O aluno deve sentar na primeira fila, longe da janela;

·      Rotinas constantes e previsíveis;

·      Falar de forma clara e resumida;

·      Usar recursos audiovisuais e lousa;

·      Não exagerar nos estímulos para não provocar superestimulação;

·      Conversar com o aluno sobre suas dificuldades e suas sugestões sobre como as coisas poderiam ser mais fáceis;

·      Estabelecer poucas regras e estimulá-lo a segui-las;

·      Equilibrar exigências de cumprimento das regras com flexibilização de comportamento;

·      Tentar modificações graduais no aluno;

·      Perceber o nível de frustração do aluno, adaptando-se às suas necessidades de movimentar-se;

·      Torná-lo o “ajudante” oficial da classe para que possa movimentar-se mais que os colegas;

·      Fornecer feedback imediato e consistente do comportamento;

·      Elogiar e premiar quando apresentar comportamento adequado;

·      Evitar punir por comportamento inadequado;

·      Sinalizar quando há mudança de tarefa ou atividade;

·      Ressaltar diferencialmente pontos importantes nas referidas tarefas;

·      Usar agenda do aluno para comunicação com pais;

·      Passar das exigências mais simples às mais complexas gradualmente;

·      Lembrar que coisas simples como permanecer assentado pode ser dificílimo para quem tem esse Transtorno.

Resumimos só algumas sugestões de procedimentos. No entanto, o professor tem material abundante em livros e na Internet com diversas dicas sobre como trabalhar esses alunos. A pesquisa é essencial para ajudar você a fazer desse estudante uma criança realizada e bem-sucedida.

(Baseado no livro No Mundo da Lua – perguntas e respostas sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos – Paulo Mattos, Lemos Editorial, SP, Brasil).


Nota: Artigo escrito e postado em Português

 

Author

Charlotte Fermum Lessa, natural de Bremen, Alemanha, é psicopedagoga clínica, com especialização no Programa de Enriquecimento Instrumental de Reuven Feuerstein, nos níveis Básico, 1 e 2. Atualmente ela reside no Brasil.

    3 comments

  • | February 1, 2018 at 7:37 pm

    meu filho tem TDAH… não sei qual profissional procurar… já procurei um neuro, mas não resolveu. ele tem 12 anos… além do transtorno sofre c ansiedade e tem problemas para socializar-se… prefere ficar sempre sozinho.

    • | February 6, 2018 at 12:33 pm

      Olá Sandra, você pode entrar em contato com a autora do artigo. Também pode procurar uma psicóloga ou psicopedagoga para te orientar sobre isso.

  • | April 4, 2018 at 10:54 am

    Amei o texto! Objetivo e prático! Amei de verdade. Vou buscar mais informações, pra juntar a estas em minha sala de aula. Muito obrigada!

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *