Family praying

Um Irmão de Respeito

School Environment

“Todo aquele que faz a vontade de Deus é meu irmão, minha irmã, e minha mãe.” (Marcos 3:35)

Chegamos ao final desta série e vamos refletir sobre a última lição. Pouco mais de dezoito anos se passaram desde que Jesus e seus pais tinham ido ao templo na Páscoa. Agora, com cerca de 30 anos de idade, chegara o momento de acelerar seu ministério. Seus irmãos já eram grandes, seus anos de trabalho na carpintaria do pai, deram a sua família, mães e irmãos condição para sobrevivência. Sua mãe já não dependia mais dele. Tudo estava pronto para a missão.

Algum tempo depois, quando João estava preso, Jesus escolhe 12 homens para acompanhá-lo de perto em seu ministério. Junto com os doze, Ele foi a uma casa, e para ali afluiu uma grande multidão. Se acompanharmos o relato que Mateus e Lucas fazem dos eventos, descobriremos que Jesus durante os poucos dias que separavam o batismo dessa ocasião já havia pregado o sermão da montanha, realizado uma grande quantidade de milagres, pregado por diversos lugares ao redor de sua cidade, a ponto de ter atraído a atenção de pessoas inclusive de Jerusalém.

Family praying
Photo: Editorial images

O texto de Marcos nos relata a seguinte história: “Quando Ele voltou para casa onde estava hospedado, o povo começou a se reunir outra vez, e logo veio tanta gente que não podiam achar tempo nem para comer. Quando os parentes dEle souberam o que estava acontecendo, vieram tentar levá-Lo consigo para casa. ‘Ele está fora de Si’ diziam eles.”O que Jesus estava descobrindo, se é que já não soubesse, é a dura realidade de que, às vezes, nossas maiores dificuldades, provém dos que nos são mais caros e próximos.

Como vimos, respeitar é também dar-se ao respeito, fazer-se respeitar ou respeitável. Uma das formas de fazer com que isso ocorra, ou seja, ser respeitado, é fazer o que é certo por que é certo fazê-lo; praticar o que é justo por que é justo praticá-lo. Veja cinco sugestões de como incentivar os seus alunos à prática do respeito:

– Veja seus alunos sob a perspectiva do que podem se tornar a partir da convivência com você;

– Lembre-se que um dia você já foi aluno;

– Guarde em sua memória a frase: “Pai, perdoa-lhes pois não sabem o que estão fazendo!”;

– Seja integro. O exemplo de coerência é a melhor forma de evocar respeito;

– Ame seus alunos, e conte até dez… principalmente quando isso parecer impossível.

Numa sociedade cada vez mais distante da justiça, chega a parecer desrespeitoso fazer o que é certo e quem faz o certo muitas vezes é chamado de louco. Dar lugar no ônibus, atender ao idoso, jogar limpo, e tantas outras atitudes semelhantes, são raridade. Não tomemos cuidado e, daqui a pouco, estaremos pedindo desculpas por agir corretamente.

Quando alguém escolhe trilhar o caminho da verdade, isso causa desconforto aos que estão por perto. Precisamos lembrar nossos alunos que respeito é também fazer-se respeitar. É fazer o que é certo ainda que caiam os céus. Respeito é “amar a Deus sobre todas as coisas e ao seu próximo como a você mesmo”.


Nota: Artigo escrito e postado em Português.

Author

Moisés Lopes Sanches Junior é PhD em Educação Especial pela Universidade Estadual de Campinas, Brasil. É graduado em Pedagogia e Teologia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo. Atua como assessor técnico do Departamento de Educação da União Central Brasileira. É professor nos cursos de Pedagogia, Publicidade e Propaganda e Educação Física do Centro Universitário Adventista de São Paulo - campus Hortolândia.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *