Themes

Best Practices

Pedagogia Hospitalar: Projeto Desejos do Coração (parte 2)

Como mostramos no artigo anterior (publicado na semana passada) o projeto Desejos do Coração foi uma iniciativa que procurava destacar os benefícios da Pedagogia Hospitalar. A ideia era auxiliar os alunos a pautarem sua vida pelo amor a Deus e ao próximo, mas também contribuir para recuperar a saúde social, emocional e educacional das crianças atendidas.

Child cannot concentrate because of Asperger's syndrome during therapy with young female therapistA proposta do projeto era que os alunos do Curso de Pedagogia, localizassem uma criança com alguma enfermidade grave e identificassem o sonho da criança. Para isso, foram seguidas algumas etapas:

  1. Dividir a turma de pedagogia hospitalar em grupos de 3 a 5 pessoas. Solicitar que identifiquem e selecionem uma criança ou adolescente com uma enfermidade grave. Essa criança pode estar internada em um leito de hospital ou em atendimento domiciliar.
  2. Visitar e criar vínculo com a criança e com a família da criança para gerar confiança (mínimo 3 visitas). Não esclarecer o objetivo do contato para que a família não interfira colocando sonhos familiares no lugar dos sonhos da própria criança. Isso é bastante comum de acontecer. A família deve ser esclarecida que se trata de um projeto universitário e se concordarem as visitas deverão ser agendadas no melhor horário e momento de acordo com as possibilidades da criança enferma. Cuidar para não interferir no tratamento e descanso da criança. Levar uma pequena lembrança quando for fazer a primeira visita para a família (bolo, flores, chocolate…).
  3. Dialogar e identificar os sonhos da criança (TER/ SER/IR/CONHECER/ alguma coisa, lugar ou pessoa).  Sendo que nosso maior enfoque é no SER. Tudo vai depender das condições físicas e psicológicas da criança enferma.
  4. Providenciar recursos para realizar um dos sonhos da criança. Isso pode ser feito através de patrocínio, ou de recursos do próprio grupo de alunos universitários. A família da criança não deve dispor de nenhum tipo de investimento no projeto.
  5. Dialogar e combinar os detalhes com a família e com os médicos para verificar a viabilidade da realização do sonho para que não ocorra nenhum incidente ou prejuízo físico para criança.
  6. Realizar o sonho da criança – Não apenas o sonho, mas o processo de realização deve ser muito bem preparado e elaborado. Tudo deve ser filmado e fotografado, depois disponibilizado para a família.

Esse projeto permitiu a aquisição de competências e habilidades, como a formação social, pessoal e profissional, por parte dos alunos do VII semestre do Curso de Pedagogia. Os resultados foram emocionantes e positivos. A alegria da criança ao realizar seu sonho e também a felicidade da família, não supera a satisfação dos alunos da graduação que aplicam o projeto e da professora que coordena. São momentos marcantes e inesquecíveis que coroam o processo de ensino aprendizagem em todos os sentidos.

*A primeira parte dessa série de dois artigos foi publicado na semana anterior. Ler a primeira parte. 


Nota: Artigo escrito e postado em Português.

Luciane Hees

Luciane Hees

Doutora em Psicologia da Educação na PUC - SP na área de formação de professores. Mestre em educação, especialista em Supervisão Escolar e Docência Universitária e graduada em Pedagogia. Exerceu a função de Coordenadora Pedagógica, Administradora Escolar e Orientadora Educacional na Educação Básica, assim como coordenou o Curso de Pós-Graduação em Docência Universitária e as atividades de estágio do Curso de Pedagogia. Atualmente é Professora Universitária do Centro Universitário Adventista de São Paulo.
Luciane Hees

Leave a Comment

We welcome and encourage constructive, respectful and relevant comments. We reserve the right to approve comments and will not be able to respond to inquiries about deleted comments. By commenting, you agree to our comment guidelines.

Your email address will not be published. Required fields are marked *