World Divisions

South American

A arte de contar histórias

Adultos e crianças gostam de ouvir, imaginar e acompanhar uma história bem contada. Antes de tudo, contar histórias é uma arte. Alguns nascem com esse dom natural e outros desenvolvem essa habilidade através de técnicas e treinamento.

A group of children sit on the floor cross legged, listening to the teacher read a story.Eu conto histórias desde que era uma professora do ensino fundamental, isso lá pelos anos 90. Atualmente conto histórias em eventos como acampamentos ou Semanas de Oração voltadas para o público infantil. Diante disso, diria que o maior desafio ao contar histórias é manter a atenção das crianças. Essa tarefa é difícil independente do tamanho do público: seja de 12 crianças em uma sala de escola sabatina ou um grupo de mil crianças em um acampamento.

Para agradar os pequenos e ao mesmo tempo apresentar um conteúdo relevante, aprendi ao longo dos últimos anos algumas coisas e gostaria de compartilhar com você que também gosta de contar histórias.

Qual seu público?

A primeira informação relevante é a escolha da história. Para que ela seja eficiente, é bom conhecer o perfil de seu público, porque cada faixa etária tem um interesse peculiar que você pode levar em conta no momento da seleção:

  • 3 a 4 anos – idade do fascínio: Narrações curtas e atraentes, pode-se usar gravuras de preferência grandes. Histórias que tenham bichos, brinquedos, objetos e usem expressões repetitivas.
  • 5 a 6 anos – idade realista: Histórias da vida real, falando do lar, etc. Narrações curtas e com muita ação, mas enredo simples. Até os 6 anos a criança gosta de ouvir a mesma história várias vezes.
  • 7 a 9 anos – idade fantástica: Gosta de histórias de personagens que possuem poder, histórias de aventuras, engraçadas e vinculadas à realidade.
  • 10 a 12 anos – idade heróica: Narrativas de viagens, explorações, relatos históricos e preocupação com os outros.

Um personagem bíblico como Davi, por exemplo, pode contemplar cada um destes perfis. Enfatizando suas características ou as fases: pastor de ovelhas, o filho mais novo ungido rei, Davi que enfrenta Golias ou o líder do exercito, Davi escritor de salmos e músico.

Planejamento e criatividade

Depois de levar em conta o público a ser atingido, vem a fase do planejamento. Parece burocrático falar em planejamento, mas é este momento que você poderá criar uma estratégia única e surpreendente para sua história.

Todos: adultos, jovens, adolescentes e crianças gostam de algo imprevisto ao ouvir uma história.Mas ninguém gosta do improviso. Criatividade exige planejamento!

O preparo inclui alguns itens relevantes:

  • Oração (sem oração você não dá oportunidade de Deus trabalhar com você);
  • Dominar a história (saber acrescentar novos detalhes e torna aquela história conhecida, mais interessante);
  • Estar preparado para perguntas;
  • Ter um objetivo para que o final da história traga um conteúdo a ser aprendido;
  • Preparar os elementos que vão ilustrar sua história;
  • Treinar, para verificar se sua ideia é viável.

Quando conto a história da fornalha ardente, por exemplo, costumo colocar fogo em uma panela de pressão, e dentro da panela coloco Sadraque, Mesaque e Abedenego (representados por um garfo, uma colher e uma faca). Com tantos elementos, treinar é fundamental. Assim a criança fica atenta e você mantém sob controle todas as partes da história.

Outros elementos como articulação da voz, as fases que devem conter em uma história e a forma de percepção do público também são essenciais, mas estes itens vamos deixar para o texto da próxima semana.

Glória Barreto

Glória Barreto

Educadora e jornalista por formação. Também é pós-graduada em Gestão Escolar e MBA de Comunicação Corporativa. Já atuou por 13 anos em diversas instituição educacionais no Brasil, como professora, coordenadora, e diretora escolar. Nos últimos anos trabalha como assessora de imprensa no Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP), no campus Hortolândia, interior de São Paulo. Sobre a atividade de contar histórias, participa de Eventos infantis e Semanas de Oração para crianças como um hobby.
Glória Barreto

Latest posts by Glória Barreto (see all)


Leave a Comment

We welcome and encourage constructive, respectful and relevant comments. We reserve the right to approve comments and will not be able to respond to inquiries about deleted comments. By commenting, you agree to our comment guidelines.

Your email address will not be published. Required fields are marked *