World Divisions

South American

Incentivo ás Carreiras Científicas

Grande parte da população acredita que o cientista e a ciência habitam um mundo de compreensão fechada. Se construiu uma concepção de que o conhecimento científico é inacessível ao cidadão comum, com um poder de verdade absoluta e pensamento que aproxima a ideia de ciência a algo místico (GERMANO, 2011). Esse tipo de pensamento afasta os jovens de carreiras científicas, já que muitos não se sentem capazes de desempenhar tal função.

No Brasil, o cenário cientifico se torna ainda mais incógnito de acordo com a pesquisa “Percepção Pública da Ciência e Tecnologia no Brasil” realizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em 2015. A pesquisa teve como objetivo analisar o conhecimento, bem como atitudes dos brasileiros em relação à ciência e tecnologia. Os sujeitos da pesquisa foram homens e mulheres com idade igual ou superior a 16 anos. Quando questionados sobre os níveis de interesse em diversos tópicos, 26% se declararam muito interessados em ciência e tecnologia. O estudo constatou também que 86% não foi capaz de lembrar o nome de nenhuma instituição brasileira dedicada à pesquisa científica, assim como 94% não conseguiram citar o nome de nenhum cientista brasileiro.

Esse quadro pode ser reflexo do contexto escolar descrito por Rosa e colaboradores (2003), que apontam a instituição escolar como um local em que apenas se reproduz conteúdo pré-estabelecido. Dessa forma, se restringe o conhecimento científico apenas a uma elite acadêmica. Como professores da educação básica devemos estimular nossos jovens a buscar conhecimento científico, assim como a formação de autonomia e senso crítico. Veja algumas formas para incentivar os alunos:

  1. Não entregue resposta prontas, incentive seu aluno a pesquisar e ajude-o a gerar cada vez mais questionamentos. A curiosidade é característica essencial para formação de cientistas.
  2. O estudante é o personagem principal em um processo de ensino-aprendizagem significativo, o professor deve apenas facilitar e mediar a construção do conhecimento.
  3. Não tenha medo de utilizar recursos tecnológicos. Não é necessário brigar com a internet, use-a como uma aliada no processo de formação. Ensine o seu aluno a forma correta de utilizar as informações que ele encontra on-line.
  4. Contextualize o ensino. Use exemplos, recursos e metodologias que incentivem o seu aluno e enxergar a realidade em que ele está inserido e estimule-o a problematizar essa realidade. Senso crítico é fundamental na formação de um cidadão consciente.
  5. Estimule as relações horizontais. Os estudantes se sentem muito mais incentivados quando trabalham juntos e enxergam os colegas se dedicando.
  6. Não tenha medo de projetos e tarefas que parecem ‘difíceis demais’. Nossa função é guiar a aprendizagem a estágios que eles não alcançariam sozinhos.
  7. Por fim, se informe! Descubra o que acontece na ciência brasileira e divulgue. Muitos acreditam que só existem cientistas fora do Brasil e, por isso, nem cogitam a possibilidade de se dedicar à carreira cientifica. Todas as instituições de pesquisa brasileiras mantem páginas on-line divulgando seus trabalhos, além de manter programas de visita guiada para escolas de forma totalmente gratuita.

De que outras maneiras podemos incentivar nossos alunos a se interessarem pela carreira científica? 

Amanda Castelão

Latest posts by Amanda Castelão (see all)


Leave a Comment

We welcome and encourage constructive, respectful and relevant comments. We reserve the right to approve comments and will not be able to respond to inquiries about deleted comments. By commenting, you agree to our comment guidelines.

Your email address will not be published. Required fields are marked *