Themes

Reflective Practice

O uso de TIC para jovens e crianças

Estamos em uma revolução tecnológica intensa. Cada dia são lançados aparelhos mais sofisticados, mais potentes, mais diversificados e completos. De fato, as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) oferecem facilidades, rapidez, conforto, entretenimento, informação e conteúdos variados que todos nós conhecemos e apreciamos no cotidiano. Muitos pais desejando aproveitar as vantagens que a tecnologia oferece, fazem um esforço de prover a seus filhos aparelhos como tablets, smartphones ou computadores. Inclusive atualmente há um grande incentivo de instituições públicas e particulares para o uso das TIC na educação. Mas será que sempre é vantajoso o seu uso? Jovens e crianças precisam utilizar tanto as TIC?

Em uma entrevista com Steve Jobs, ainda vivo e CEO da Apple, publicado no The New York Times [1] em 2010 (ano de lançamento do iPad), foi perguntado se seus filhos estavam contentes com o uso dos iPads, e a resposta foi: “Eles ainda não usaram. Limitamos quanta tecnologia nossos filhos usam em casa”. Jobs, dono de uma das mais promissoras empresas de tecnologia, foi um pai que limitava o uso da tecnologia em casa o que parece ser um paradoxo, já que muitas vezes os iPads são mostrados como ferramentas para o melhor aproveitamento do aprendizado e leitura de livros. Não somente Steve Jobs, mas vários outros CEOs de grandes empresas ligadas à tecnologia como Chris Anderson, ex-editor da Wired; Evan Williams, fundador do Blogger, e outros são citados no artigo como pais que têm a mesma conduta.

Por que diretores de grandes empresas de tecnologia limitam seus filhos ao uso da tecnologia que eles mesmos desenvolvem? A maioria das pessoas pensa o contrário, achando que quanto mais investirem em TIC de última geração, mais desenvolvimento e informação poderiam proporcionar aos seus filhos. Entretanto os executivos dessas empresas de tecnologia localizadas no Silicon Valley, enviam seus filhos para estudarem em escolas como a Waldorf – em que 75% dos alunos são filhos desses executivos – e outras do gênero, que não fazem uso de TIC para seus alunos [2]. Os perigos a que eles se referem incluem a exposição a conteúdo nocivo, como pornografia, bullying e, talvez o mais preocupante para eles, o vício em seus dispositivos. Como o próprio autor do artigo, Nick Bilton, conclui em sua matéria – “No entanto, esses CEOs de tecnologia parecem saber algo que o resto de nós não sabe” [1].

Neste ano, pesquisadores da Universidade de Alberta no Canadá realizaram uma pesquisa com 2.400 famílias. A pesquisa concluiu que crianças em idade pré-escolar que passam duas horas ou mais em frente a uma tela por dia podem ter problemas comportamentais clinicamente significativos comparado às crianças que ficam menos de 30 minutos. As crianças que estavam expostas a mais de duas horas frente a uma tela, tinham cinco vezes mais probabilidade de apresentar problemas como a falta de atenção, hiperatividade e oposicionismo, e de sete vezes mais probabilidade de desenvolver transtorno de déficit de atenção com hiperatividade.

A questão do uso das TIC não está em proibir ou liberar, mas em controlar e mediar o uso. Já são conhecidos os benefícios e também as consequências do uso na mente de jovens: longos tempos gastos que poderiam ser investidos em tarefas mais produtivas, desinformação e fake news, depressão e inveja, ansiedade e imediatismo de resposta, cansaço e alterações na qualidade do sono causada pela luz das telas, problemas de visão, sedentarismo, dificuldade de concentração, dificuldades de relacionamento e isolamento social, indisciplina na escola [3] [4], mas é necessário uma conscientização. Muitos têm dificuldades de desenvolverem hábitos de leitura e estudo sistemático dos conteúdos ensinados nas escolas, por desinteresse e baixa concentração causada pelo excesso de filmes, jogos e redes sociais.

Estas considerações devem levar a uma reflexão para todos nós, especialmente para conscientizar os pais sobre a importância do controle do uso desses aparelhos e a qualidade do conteúdo que jovens e crianças consomem. Os pais podem ainda, cultivar hábitos que diminuam a probabilidade de seus filhos tornarem-se dependentes em tecnologia, como atividades esportivas, horário de dormir para boa qualidade do sono, alimentação saudável, bom relacionamento familiar e amizades, estudo da Bíblia, e etc [3].

Ellen G. White, no livro Conselhos sobre educação (pág 107) diz: “Quanto mais calma e simples a vida da criança, isto é, mais livre de excitações artificiais e mais de acordo com a Natureza, mais favorável é para o vigor físico e mental e para a força espiritual”.

Referências

[1] N. Bilton, “Steve Jobs Was a Low-Tech Parent,” The New York Times, pp. Seção E, página 2, 10 setembro 2014.

[2] E. YATES, “This Silicon Valley school shuns technology — yet most of the students are children of tech execs,” Business Insider, 24 março 2017.

[3] M. BORGES, Nos bastidores da mídia: como os meios de comunicação afetam a mente., Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2005.

[4] Redação Galileu, “Vício em tecnologia pode estar ligado a quadros de depressão e ansiedade,” Galileu, 12 abril 2018.

Luiza Dumont
Latest posts by Luiza Dumont (see all)

Leave a Comment

We welcome and encourage constructive, respectful and relevant comments. We reserve the right to approve comments and will not be able to respond to inquiries about deleted comments. By commenting, you agree to our comment guidelines.

Your email address will not be published. Required fields are marked *