Best Practices

Publicadora Adventista é pioneira no ensino de criacionismo no Brasil

A produção de livros didáticos para a rede educacional adventista e escolas particulares e públicas, hoje representa uma fatia significativa no contexto da Casa Publicadora Brasileira (CPB). Esse processo envolve quase 260 profissionais e resulta na distribuição de 1,7 milhão de exemplares anuais para todo o Brasil.

Mas chegar até esses números levou muito tempo. Não somente as três últimas décadas – mas quase cem anos, desde que a editora passou a publicar livros com teor educativo e criacionista. Conheça essa história. 

Literatura Educativa 

Photo: William de Moraes

Em 1896 era fundado em Curitiba, o Colégio Internacional. Paralelamente, a Casa Publicadora Brasileira, estava no início de suas atividades traduzindo e publicando livros denominacionais, além de títulos educativos que abordavam o criacionismo. A primeira obra no segmento educacional foi o Novo Método de Leitura Elementar (1914).

A editora que até então havia publicado materiais que mesclavam alfabetização com educação religiosa, a partir da primeira década de 1930 iniciou a impressão de livros de Ensino Religioso em série. Até a década de 1980, todas as coleções eram traduções de obras americanas.

Oficialização 

Finalmente, em 1983, a editora implantou o setor responsável pelos livros didáticos. O que marcou essa nova fase foram os lançamentos dos primeiros materiais elaborados no Brasil: as coleções Este Mundo Maravilhoso e Estratégias Fonortográficas.

Nessa nova fase de produção totalmente brasileira, despontaram autores nacionais para a área de Ensino Religioso. Em seguida, diante da grande aceitação do público, a Casa Publicadora Brasileira iniciou a publicação para demais disciplinas. Foram lançados livros didáticos de Língua Portuguesa e de Ciências.

Segundo reportagem de um jornal de circulação nacional, publicada em 1987, a Casa Publicadora Brasileira era a única editora no Brasil que publicava livro didático apresentando a teoria criacionista. Devido à visibilidade, muitas escolas de outras denominações cristãs e colégios públicos adotaram o material didático.

Gradativamente, a publicadora passou a produzir livros para todos os níveis, da Educação Infantil ao Ensino Médio. Além disso, em 1997, foi iniciada a publicação de livros paradidáticos abordando valores como honestidade, cortesia, respeito aos idosos e cuidado com o meio ambiente.

Em 2004, outro passo importante foi dado. Iniciou-se o planejamento do projeto para os livros do Ensino Médio. O lançamento do material foi progressivo, até que em 2009 os três anos estavam com suas coleções prontas.

Hoje e Amanhã 

“Prezamos para que nossos materiais estejam em harmonia com as prescrições do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Além de citar a teoria da evolução, também buscamos apresentar nosso diferencial, que é trabalhar conceitos criacionistas”, explica o professor Alexander Dutra, gerente da Casa Publicadora Brasileira Educacional.

Além de publicar 342 títulos didáticos e paradidáticos, o departamento Educacional passou a produzir e a disponibilizar conteúdos digitais por meio do portal www.cpbeducacional.com.br para estudantes, pais e professores de escolas que adotam o material.

“Quando o livro didático sai da publicadora, não temos ideia do impacto que ocorrerá na vida de alunos e professores que utilizarão esse material. Não apenas no aspecto de crescimento intelectual e profissional, mas principalmente no que diz respeito à maneira de ver a vida”, finaliza o professor Dutra. [Fonte: Revista CPB Educacional]


Nota: Artigo escrito e postado em Português

Olivandro Maia

Graduado em Comunicação Social/Jornalismo pelo Centro Universitário de Maringá, trabalha há 12 anos com produção e edição de conteúdos digitais. Atua na função de editor de Web na Casa Publicadora Brasileira. www.cpbeducacional.com.br e www.educacaoadventista.org.br

Leave a Comment

We welcome and encourage constructive, respectful and relevant comments. We reserve the right to approve comments and will not be able to respond to inquiries about deleted comments. By commenting, you agree to our comment guidelines.

Your email address will not be published. Required fields are marked *